terça-feira, fevereiro 01, 2011

A (tua) dor

http://www.youtube.com/watch?v=VnJo_wOiPE0&feature=related

Dores fortes e fracas,
Dores passageiras e dores intermináveis,
Dores físicas e dores psicológicas,
Dores que se vêem, dores que se escondem,
Dores pequeninas, dores GRANDES,
Dores minhas e dores tuas,
Dores sem causa, dores com causa
...
Dor que apenas se sente...só quem a tem!!


Dor de quê?
Dor de alma e de coração; dor de cabeça e de barriga; dor de mãe e de filho; dor de dentes e de garganta; dor de amor ou de ódio...

Tantas dores que nem se sabe bem definir a dor que se sente ou deixa de sentir. Na pele, na alma, no ser ou no braço, tudo é dor, tudo é sentido, tudo é nosso.
A dor de hoje pode não ser a de amanhã; a dor de hoje e de amanhã e depois, por muito que se conheça, não se sabe como a findar. Benuron, brufen, ... nem sempre lavam a dor que possas sentir em ti. As dores deviam sumir quando encontado o motivo. "Cortar a dor pela raíz!".
Há dores que podiam ser descartáveis; dores com tempo definido e momentos certos.
A tua dor é pequenina?! A dor é tua, é nossa?! Como me contas tu a tua dor? Eu sei que dói, mas dói como? Sentes a minha dor? Fazes-me sentir a tua? ... a dor é de quem a tem!(ponto)

A dor pequenina perde-se na imensa alma que temos e fica a moer e remoer, não mata mas mói. Diz-me que dor é a tua, se a pequenina e perdida, se a enorme e que vai matando. Deixa-me tirar o curso de "DORologia" para saber como te ajudar a deixar essa dor e procurar outra, outra que te deixe viver uma outra vida, uma outra dor que não seja a de sempre, a de todos os tempos que terminaram mas... deixaram a tua dor ficar perdida e encontrada.

A tua dor é tua, a minha dor é minha, vem matar a minha dor que eu mato a tua e, doridos neste mundo, vamos durar a dor de vencer a dor que nem é tua, nem é minha!

1 comentário:

Su disse...

Ana, adorei este teu texto!
Temos de facto tantas dores... e tão distintas...
Valem-nos os outros (com as suas dores, também).
E é certo que por vezes, ao focarmo-nos na dor do outro, ficamos anestesiados na nossa...
Cá vamos indo, de dor em dor.
Beijinho grande!
Susana Vaz Pedro