terça-feira, julho 10, 2007

Sábado, Junho 23, 2007

«Chove, não molha
Pior do que um homem que nos persegue, pior do que um homem que nos ignora, é aquele tipo de homem que nos persegue às segundas, quartas e sextas e nos ignora às terças, quintas e sábados.
Há homens assim. Confusos, indecisos, que vivem mergulhados numa bipolaridade emocional com a qual nem eles próprios sabem lidar, quanto mais as mulheres que têm o azar de se cruzar no caminho destas criaturas.
O indeciso é por definição um tipo baço, com o olhar velado, que fala baixinho e vai dando a entender, ao longo de semanas, meses e por vezes anos, que até quer qualquer coisa mais séria connosco, mas que por uma infindável e inominável lista de razões, não se chega à frente.

É o ‘Senhor Talvez’. O ‘Senhor Talvez’ está interessado, mas não apaixonado. O ‘Senhor Talvez’ gosta de nós, mas nem tanto. O ‘Senhor Talvez’ até é bom rapaz. Mas infelizmente, não o suficiente. O que o torna muito maçador.
Num universo ideal em que as mulheres poderiam fazer justiça pelas suas próprias mãos em relação a estes empecilhos sentimentais, eu não seria cronista nem escritora, mas antes lojista, feliz proprietária de um estabelecimento que venderia fórmulas mágicas que não existem no mundo real. A saber: comprimidos para a paciência, injecções de sensibilidade, drageias de bons modos, xarope de mimos e, last but not least, tratamento por ampolas para a indecisão. Nessa farmácia do entendimento, poderia também existir uma secção de estética com produtos como pomada anti-pêlos no nariz, cinto anti-barriga e cápsulas para erradicar os pêlos nas costas.

É claro que este mundo virtual com o qual as mulheres sonham, nunca pode existir num mesmo homem, daí que uma sábia amiga minha, casada há mais de 20 anos com um choninhas simpático e míope, me desabafou entre dois chás no Chiado que nunca se tinha separado porque os homens eram todos tão parecidos, que ela corria o risco de encontrar um pior do que o marido.

Ninguém é perfeito, nem por dentro nem por fora, mas caros amigos, há que ser razoável; com a instabilidade económica e a crise que se arrasta no país e na mentalidade lusa, um pouco de decisão e de firmeza ajudava a reconstruir esta sociedade desmembrada com 70% de divórcios a assolar o território. Os senhores da raça ‘Talvez’ deveriam ser sujeitos a pagar coimas cada vez que dão um passo em falso. Até parece que se puseram de acordo com este tempo de chuva ‘molha parvos’ que nos roubou a Primavera e o optimismo. Um homem que se preze, ou quer, ou não quer, e o resto é conversa. Adiar decisões amorosas é o mesmo que continuar a morar num andar alugado sem pagar a respectiva renda.»


Margarida Rebelo Pinto

3 comentários:

An@ disse...

Postei por gostar do que li e por conhecer quem sofra com os "Talvez" de muitos senhores;)

*beijocas e... sr "Talvez" é caso ou altura para mudarem de nome, como tb algumas senhoras q tb se apelidam do mesmo;)

escritor de pacotilha disse...

Se os Srs. Talvez fossem multados sempre que dessem um passo em falso, então nunca deixariam de ser Talvez por medo de estar sempre de bolsos vazios.

Eu acho que há homens Talvez porque as mulheres não nos dizem o que é que querem. Têm que ser mais assertivas e ter mais discernimento nas coisas que pedem / fazem.

De qualquer modo, há muitas mulheres assim, se calhar até mais...

Goga

An@ disse...

LOLOL, pobres... eram pobres :)

E mais uma vez afirmo, mtas senhoras se apelidam de "Sra Talvez"...

parece que a igualdade chega até nestas coisas... não sei se é bom ou não!! Talvez não!!

lol, e qt ao que as mulheres (não) dizem... algumas vezes, não deveria ser preciso dizer; por vezes outras não dizem mas exageram fazendo ;) em gestos e aparências...

este mundo está perdido ;)

*