sexta-feira, janeiro 04, 2008

histórias da minha vida (I)




Tenho saudades daquelas quartas feiras….
Sim, já passou muito tempo…
Íamos as duas subindo devagar aquele caminho de pedras, que percorríamos todos os dias, que conhecíamos desconcertado…
Mas, que ás quartas feiras tinha um sabor especial…

Subia para o teu carro! Quando estava bom tempo punhas aquilo descapotável e….
nunca podia faltar aquele cd… Gostava muita da faixa 14 (era o “azul” calminho calminho que nem eu!)

Mas tu, para te preparares para o momento que aí vinha punhas “O Dinis, o rei dos botões” do Luís Portugal (jafumega) a tocar… E sabíamos a letra do princípio ao fim…
Tu, com aquele nervoso miudinho e a extravagância no sentir dançavas com o olhar, imitando a melodia numa harmonia só tua (já te disse que cantas mesmo mesmo bem?, tu sabes disso!)…
Ria-me contigo! Sempre a exagerar! Sempre com os gestos aparotosos…






Chegávamos a Condeixa e lá íamos nós… Antes de saíres borrifavas sempre um naquinho de perfume em ti (sempre detestaste os cheiros de hospital!).. Fechavas os olhos e entravas como se fosse uma proeza gloriosa, uma batalha a ser vencida…

Mas quando lá estavas, depositavas toda a tua paciência na teatralização de um pequeno conto infantil, esforçavas-te por não gozar comigo (pelo menos naquele instante =)) quando uma delas me pediu para dançar Marco Paulo com ela ou quando outra me empurrou para dentro da casa de banho para a ajudar (?)…
Elas adoravam os teus cabelos…
Tu tinhas um gosto predilecto pela Adelaide (ensinava-te músicas populares)!

E quando voltávamos a entrar no carro dizias invariavelmente que não custou assim tanto… e no final do caminho vinha o encontro doloroso do estacionamento…

Chegando à faculdade estava o nosso amigo à espera para o lanchinho antes da aula das seis que nos deliciava…

Contávamos os episódios daquela quarta feira e ele ouvia-nos embevecido.
No final, e imitando o professor da aula a que íamos assistir dizíamos sempre em uníssono: “Porque elas tb têm lágrimas de cloreto de sódio como nós!” era assim não era?





Hoje ouvi o “chamo-me Dinis”…
Lembro-me da frase: “Quero ver a marca da tua emoção”! ( lembras-te?)
E tudo isto me veio à memória…
Tenho saudades…
E já passou tanto tempo..

2 comentários:

An@ disse...

Não me perguntes porquê, mas ao ler isto acho que consegui sentir um pouquinho da nostalgia que paira em cada palavra da tua memória :) muito bom mesmo! *

vává disse...

Conheceste-me quando te juntás-te a mim para, juntas, trilharmos o caminho dos sonhos, dos hinos de alegria,das gargalhadas infinitas, dos cabelos ao vento...numa doce e tola ilusão!!!
Hoje, especialmente, hoje, já não é tão fácil sonhar, já não é tão fácil descobrir o sol no meio do céu gigante (mas ele também é tão grande...),já enroquece a voz na, antes,extravagante loucura do abraço...
Mas também já não dormes no quarto ao lado...
Subscrevia, mais uma vez, tudo o que disseste (também não é difícil...não falaste em Igreja!!) mas acrescentava (também como é hábito)que tudo isto que me lembro tão bem, jamais conseguirei esquecer!`
És muito bonita...por fora também!
love u